O enigmático livro inacabado de Franz Kafka | O Processo


Um dos escritores mais importantes do século XX, Franz Kafka produziu uma obra intensa e perturbadora.  Aqui neste post vamos investigar a personalidade intrigante do escritor tcheco e desvendar um de seus maiores enigmas, o livro inacabado: “O Processo”.


Franz Kafka foi um escritor que não alcançou sucesso e reconhecimento em vida, um homem de sentimentos complexos que nunca se casou ou teve filhos.

Advogado por imposição do pai passou a vida no asfixiante serviço burocrático. Mal conseguia viver com o que ganhava, e em seu tempo livre, escrevia.

No leito de morte aos 41 anos, Kafka pede a seu melhor amigo que destrua todos os seus escritos, incluindo cartas e diários.

Seu amigo e editor Max Brod, não atende o último pedido de Kafka. Reúne todos os seus textos e inicia um labor de organizar e publicar, tudo que estivesse terminado.

Neste espólio literário de Kafka havia uma obra inacabada, que foi salva da destruição e sobre ela vamos discorrer neste post, “O Processo”.

Além de conhecer a obra mais enigmática do século XX, vamos percorrer a vida do escritor e tentar desvendar um pouco essa mente genial e inquieta.

frans kafka escritor tcheco de o processo
Franz Kafka

Kafkiano

Lançado em 1925, um ano após a morte de seu autor Franz Kafka, “O Processo” é um dos livros mais intrigantes da literatura. Uma obra inacabada que traz imagens aterradoras de um tema insistente na obra do escritor tcheco, a burocracia e suas instituições. 

Um escritor de pensamento ágil e pródiga imaginação, Kafka criou histórias e personagens que passaram a povoar o imaginário coletivo em várias partes do mundo.

Como o jovem “Gregor Samsa”, que um dia despertou de sonhos intranquilos e se viu metamorfoseado em um inseto monstruoso, no famoso conto “A metamorfose”. 

livro a metaforfose de franz kafka
Livro “A Metamorfose”

Ou a máquina de tortura de “Na colônia penal”, que possuía milhares de micro agulhas que passavam dias perfurando o corpo dos prisioneiros enquanto tatuava suas penas sobre a pele, como castigo por delitos que não sabiam quais eram.

E ainda, a emocionada e atroz “Carta ao pai”, onde Kakfa escreve 103 páginas de um desabafo lúcido e atormentado sobre aquele que foi seu maior pesadelo, o próprio pai. A carta nunca foi entregue e virou livro após a morte de Kafka.    

Por essas e outras Kafka tornou-se um adjetivo: “Kafkiano”. Que faz referência a um tipo de pessoa ou situação, construída no absurdo e na falta de lógica.

As injustiças, a ansiedade, a culpa… as brutalidades  físicas e psicológicas, as relações familiares, as instituições públicas… as pressões sociais, a fantasia, o irreal, o existencialismo e a burocracia são temas que permeiam toda sua produção literária.

E hoje vamos falar de uma obra em especial, que talvez tenha sido capaz de abarcar toda a temática explorada pelo autor, “O Processo”.

Um livro que não foi concluído pelo escritor e escapou de ser queimado, o que o torna ainda mais intrigante e kafkiano!

“Meus textos são confissões. São escritos íntimos das minhas dores mais profundas.”

Franz Kafka

Antes de falarmos sobre “O Processo”, vamos desvendar um pouco desta personalidade tão instigante.

frans kafka escritor tcheco de o processo

Quem foi Franz Kafka?

Literários de todo o mundo se fizeram esta pergunta ao entrar em contato com a obra de Franz Kafka. Quem era este homem, atormentado por uma lucidez obscura, que usou as palavras para transcender o sufocante mundo real em que vivia.

Diversos estudos foram realizados e biografias publicadas, mas Kafka será para sempre um mistério indecifrável. Sua morte tão precoce nos impediu de conhecer na totalidade o que viria a ser sua maturidade literária e também pessoal.  

Morto pela tuberculose as 41 anos, no exato momento em que descobria o que era o amor real, o amor materializado, que chegou pelas mãos da encantadora jovem judia Dora Diamant.

Ele morreu em seus braços, ela o enterrou no cemitério judeu de Praga e seu mais forte desejo era simplesmente poder viver este amor que ela lhe havia apresentado no final de sua vida.

“Eu jamais desejei tanto a vida e a saúde como agora.”

Kafka para Dora em seu último ano de vida.

Um homem de sentimentos aflorados e uma sensibilidade assustadora que enxergava a vida com uma intensidade perturbadora e comovente. Que através de histórias absurdas nos levou a adentrar seu universo secreto, aquele universo de escritos íntimos de suas dores mais profundas.

E para tentar nos aproximar ao máximo deste mundo kafkiano, vamos conhecer mais de sua vida pessoal; seus estudos, família, trabalho e amigos. E depois entraremos na sua obra mais enigmática e densa, o livro inacabado “O Processo”.    

A Familia Kafka

Filho de uma família de classe média, Kafka nasceu em Praga no final do século 19. Seus pais eram proprietários de uma loja de artigos de moda.   

Seu pai vinha de uma família simples de comunidade rural. Cresceu em uma pequena vila no interior da Boêmia com forte tradição judaica e tendo o tcheco como idioma.  Dedicavam-se ao abate de animais. Hermann Kafka não teve acesso aos estudos e trabalhava como representante comercial.

Sua mãe vinha de uma família também judia, mas diferente do pai de Kafka, a família de Julie Lowy era de empresários burgueses de língua alemã. O pai da jovem era proprietário de uma importante cervejaria. Julie teve acesso aos estudos e tinha um alto nível cultural.

Hermann Kafka e Julie Lowy tiveram seis filhos. Dois meninos que morreram ainda bebês. Três meninas que foram assassinadas nos campos de concentração durante a segunda guerra e Franz Kafka. O advogado medíocre que se tornaria um dos nomes mais conhecidos da literatura universal depois de morto.  

familia kafka - franz e irmas
Franz Kafka e suas irmãs

Em um lar com quatro mulheres e um pai rude e autoritário, Kafka se mostrava reservado e calado na vida familiar. Tinha uma ligação muito próxima com as irmãs, especialmente com Otta, a irmã preferida com quem partilhou muitos momentos de intimidade, chegando a viver com ela em alguns momentos da vida adulta.

A relação com o pai foi especialmente difícil. Anos antes de morrer Kafka escreve uma carta a seu pai, 103 páginas de um desabafo honesto e emocionado. Uma carta que nunca foi enviada e acabou se tornando um livro após a morte do escritor.

“Seja como for, éramos tão diferentes e nessa diferença tão perigosos um para o outro, que se alguém por acaso quisesse calcular por antecipação como eu, o filho que se desenvolvia devagar, e tu, o homem feito, se comportariam um em relação ao outro, poderia supor que tu simplesmente me esmagarias sob os pés, a ponto de não sobrar nada de mim.”

Kafka em sua carta ao pai

Estudos e trabalho

Na graduação, Kafka matriculou-se no curso de Letras (Germanística), mas seu pai não permitiu que seguisse com os estudos da língua alemã, por ser uma carreira sem futuro.

Pertencente a uma família de judeus do império austro-húngaro, a única forma de Kafka ascender socialmente era através de uma clássica carreira liberal, como a medicina ou o direito.

Contra sua vontade, mas sem impor resistência, Kafka se torna advogado como decidiu unilateralmente seu pai, em nome da ascensão social.

Aos 24 anos consegue seu primeiro emprego em uma companhia italiana de seguros. Kafka realiza trabalhos burocráticos de 08:00 às 18:00 por um péssimo salário. Ele trabalha como se estivesse cumprindo uma pena. Uma pena imposta por seu pai.

“Quanto mais cavalos você atrela para o trabalho, tanto mais rápido ele anda, ou seja: não para arrancar os blocos de alicerce, o que é impossível, mas para rebentar as correias e, como resultado, a alegre viagem vazia.”

Aforismos – Franz Kafka

Kafka odeia seu trabalho e a escrita é sua única satisfação. Depois de 1 ano na companhia de seguros, pede demissão. O advogado quer escrever. Seu pai o intimida, o tacha de fracassado.

“Tudo o que não é literatura me entedia e eu odeio, pois me atrapalha e me toma o tempo, mesmo que seja evitável. Um casamento não poderia modificar-me, assim como meu emprego não pode me modificar.”

Diários – Franz Kafka

O advogado escritor encontra outro trabalho. Burocrático de 8 ás 18 para satisfazer o pai. Kafka é contratado pelo “Instituto de Seguros por Acidentes de Trabalho do Reino da Boêmia”, e passa 10 anos investigando e avaliando compensações aos trabalhadores que perdiam partes do corpo e a vida nas indústrias.   

Toda sua experiência laboral se dá nesta seguradora. Onde passou dos 25 aos 35 anos, imerso em relatórios, contratos e burocracia.

Em 1918 Kafka é afastado de forma definitiva do trabalho com uma pensão insignificante devido a problemas de saúde.

Ele foi diagnosticado com tuberculose aos 35 anos, doença sem cura na época.

Kafka nunca voltou a trabalhar como advogado.

Amigos e vida social

kafka e amigos no parque de diversoes prater de viena 1913
Kafka e amigos em um parque de diversões de Viena em 1913

A imagem que em geral nos pintam de Kafka, é a de um homem triste, cabisbaixo, taciturno.

Talvez pelo conteúdo de sua obra literária, das confissões em seus diários, e até mesmo pelas fotos da época, tenhamos uma imagem sombria dele, mas não é essa a imagem que as pessoas que conviveram com ele fora do circulo familiar relatam.

Na vida social seus amigos o descreviam como sendo um homem afável, falador e alegre. Contam que Kafka lia os contos que escrevia para seus amigos da universidade. E que ele mesmo ria dos absurdos de suas histórias enquanto lia em voz alta para seus amigos.

“Nossa vida é muito intranquila, cada dia traz consigo surpresas, inquietações, esperanças e medos, de modo que ninguém, sozinho, seria capaz de suportar tudo isso se não tivesse, dia e noite, o apoio dos companheiros.

E ainda assim é muitas vezes difícil; há casos em que milhares de ombros estremecem sob o fardo que, na verdade, foi destinado a um só.

Diários – Franz Kafka

Entre seus amigos um se destacou, Max Brod. O maior admirador e incentivador do escritor.

Brod esteve com Kafka até seu último dia de vida, e foi a pessoa a quem Kafka revelou seu último desejo.  Que fosse destruído tudo que ele havia escrito, tanto as peças literárias como seus diários e cartas.

Brod não atendeu ao último desejo de Kafka. Preservou, editou e publicou seus escritos, suas cartas e seus diários.

Kafka e seu melhor amigo max brod na praia
Max Brod e Kafka

Graças a desobediência de Max Brod estamos aqui hoje a desvendar o enigmático livro inacabado de Kafka, “O Processo”, que abordaremos com detalhes neste post.

Os amores de Kafka

Kafka foi noivo três vezes, duas com a mesma mulher, mas nunca chegou a se casar. Seu melhor amigo Max Brod relata que ele era mulherengo, gostava de pornografia e frequentava bordéis.

Analisando a correspondência com suas noivas e namoradas observa-se uma certa inabilidade nas relações amorosas, e dúvidas, muitas dúvidas. Uma vida íntima que contrasta com a social revelada por amigos.

Das complexas relações amorosas de Kakfa, três mulheres de destacaram, Felice Bauer, Milena Jesenká e Dora Diamant.

De sua relação com Felice Bauer foi publicado um livro póstumo onde seu amigo e editor, Max Brod, reuniu a correspondência do escritor com a noiva, “Cartas à Felice”.

“Se nos casamos, perderia minha solidão, que na maioria das vezes é horrível, e eu ganharia você, a quem amo mais do que qualquer outro ser. Por outro lado, você perderia sua vida. Uma vida que se sente quase completamente satisfeita.

E em lugar desta perda, você ganharia um homem doente, fraco, insociável, taciturno, triste, rígido, quase desprovido de toda esperança, cuja única virtude talvez seja o fato de te amar.”

Franz Kafka – Cartas a Felice

Da relação com Milena Jesenká, jornalista e tradutora, outro livro de cartas publicado postumamente por Max Brod, “Cartas à Milena”.

livro cartas a milena de franz kafka
Livro “Cartas a Milena” – Franz Kafka

“Estamos jogando um jogo infantil, eu me arrasto pela sombra, de uma árvore à outra, estamos em pleno caminho, você me chama, aponta-me os perigos, quer dar-me ânimo, desespera-se por ver meu passo vacilante, recorda-me (a mim!) a seriedade do jogo… não posso, desfaleço, já caí.

Não posso ouvir ao mesmo tempo as vozes terríveis de meu interior e a sua, mas em troca posso ouvir apenas a sua e confiar em você, em você, como em ninguém mais no mundo.”

Franz Kafka – Cartas a Milena

Sim, estas são as cartas que Kafka em seu leito de morte pediu a seu melhor amigo que destruísse. Mas ele não só as reuniu como publicou.

Seu último amor está registrado em um livro, uma finíssima pesquisa biográfica, que narra o último ano de vida do escritor, ao lado da única mulher com a qual Kafka efetivamente conviveu, a jovem judia Dora Diamant.

“É fácil perceber porque eles se sentiam tão bem juntos, pois, mesmo que o próprio Kafka a houvesse inventado, Dora não teria combinado tanto com ele.”

Biografia de Franz Kafka

Mas Kafka já estava consumido pela tuberculose e lhe restava pouco tempo de vida. E esse tempo ele passou com Dora Diamant. Morreu em seus braços, e foi enterrado por ela no cemitério judeu de Praga em 1924.

A morte de Kafka

Com o afastamento definitivo do trabalho aos 35 anos devido ao diagnóstico de tuberculose, Kafka passa os últimos 6 anos de vida entre sanatórios e tratamentos alternativos.

Uma morte prevista, lenta e dolorosa.

Kafka morreu aos 41 anos em um sanatório de Viena, pesando pouco mais de 40 quilos o escritor já não podia comer nem escrever.

Seu último desejo foi expressado diante de seu grande amor Dora Diamant, e de seu melhor amigo Max Brod.

Kafka pediu a eles que reunissem e destruíssemtodos os seus escritos. Romances, contos, cartas, diários, tudo.

Dora queimou o que tinha. Max Brod guardou o que possuía e foi em busca de resgatar tudo que Kafka havia escrito e estivesse com terceiros.   

A perturbadora fidelidade de Dora, versus a desafiadora determinação de Brod. Ele estava convicto do valor grandioso de tudo que Kafka havia produzido durante a vida.

Franz Kafka morre, Max Brod salva sua obra e a literatura o imortalizam.   

O PROCESSO: O MISTERIOSO LIVRO INACABADO

livro o processo de fran kafka tradução de modesto carone em portugues

Depois de percorrer os corredores sinuosos da vida de Franz Kafka vamos à sua obra mais enigmática, o romance inacabado “O Processo”.

Um livro que escapou da fogueira

Kafka em seu leito de morte pede a seu melhor amigo Max Brod que destrua todos os teus textos, cartas e diários.

Brod no papel de amigo dirige-se a casa do escritor para reunir seus escritos. No quarto de Kafka recolhendo os manuscritos, Brod já não está mais no papel de amigo e sim de editor.

Diante de todo aquele material, que sabia ser uma obra de valor ainda inimaginável, não foi capaz de destruir sequer uma página.  

Max Brod trai Kafka, diz que tudo foi queimado. Kafka morre e um ano depois vem à luz um livro enigmático que se tornaria a grande referência da obra Kafkiana, “O processo”.

Considerado um dos maiores paradigmas da literatura moderna, o manuscrito salvo da fogueira por Max Brod estava inacabado.

Foram encontrados vários envelopes, cada um com o que seria um capítulo. As páginas não estavam numeradas, a sequência de capítulos não estava determinada.  Max brod organiza e publica o livro em 1925, um ano após a morte de Kafka.

“O Processo” em processo

Kafka começou a escrever este romance em 1914, quando seu primeiro noivado, com Felice Bauer, teve fim. A primeira publicação foi póstuma em 1925 e foi editada por Max Brod. Que organizou os capítulos na sequência que achou mais adequada.

Considerado por muitos estudiosos como o romance do século XX e como um dos maiores paradigmas de literatura moderna, “O Processo”, tem várias linhas interpretativas.

Há os que buscam uma interpretação mais biográfica buscando as relações com a vida do autor, os que seguem uma linha psicológica interpretando as neuroses do homem da época, e outras que analisam por um viés sociológico ou religioso, e ainda esotérico.

Este romance dá margem para diversas análises, como acontece com a maioria das obras de Kafka. Aqui abordaremos as linhas gerais para que sua leitura possa ser mais proveitosa e fluida. As interpretações ficam por conta de cada um após a conclusão da leitura!

A Kafkiana história de “O Processo”

Uma história carregada de absurdos. Personagens intrigantes, por vezes sóbrios, outras desequilibrados. Uma atmosfera angustiante que nos insere no incompreensível mundo da burocracia com seus meandros ilógicos. E para arrematar um narrador peculiar, que assim como o protagonista, não sabe nada.

Josef K. é funcionário de um banco e no dia de seu aniversário é acordado por oficiais de justiça. Os oficiais foram a casa de Josef K. para informar-lhe de que estava sendo processado. Mas não explicam porque está sendo processado nem por quem.

“Alguém certamente havia caluniado Josef K. pois uma manhã ele foi detido sem ter feito mal algum.”

Primeira frase do romance “O Processo”

A partir do comunicado do processo que está sendo levantado contra ele, inicia sua tentativa de defesa, que se faz cada vez mais complicada porque ninguém em nenhuma estância da justiça consegue explicar ao acusado os motivos de seu processo, nem quando ele será julgado, e menos ainda sobre o que está sendo acusado.

No início Josef K. encontra-se em uma situação de tal desinformação que acredita que tudo não passa de uma brincadeira de seus colegas de trabalho.

Mas com o passar do tempo vai percebendo que existiam  tribunais que moviam processos – como o que fazia parte – sem dar nenhuma explicação aos acusados. E que existiam advogados que defendiam seus clientes sem saber do que os estavam defendendo. Descobre que havia toda uma estrutura burocrática mobilizada em varias estâncias para processar cidadãos e executar as penas sem que eles saibam que crimes cometeram.  

Labirintos escuros, subterrâneos asfixiantes, espancadores, juízes, e uma sentença absurda, compõem esse romance que deve ser lido com a mente aberta para situações inesperadas, e para uma falta de lógica que em realidade permeia nossa vida e nossas instituições, mas aqui Kafka leva a extremos.

Uma narrativa angustiante e absurda que nos leva junto com Josef K. a buscar desesperadamente razões, em um mundo povoado por decisões ilógicas onde o único que podemos fazer é aceitar e receber a sentença.

Qual sentença?

Leia este instigante livro para saber qual foi a sentença e o fim de Josef K., que passou um ano buscando todas as possibilidades de defender-se no processo.

Qual e melhor edição brasileira do “O Processo”?

Um livro complexo, inacabado e escrito em alemão. Para tirar o melhor proveito desta obra escolha um bom tradutor e uma edição confiável.

O melhor tradutor de Kafka no Brasil é Modesto Carone. A edição que recomendamos é da Companhia das Letras.

Nesta edição você terá acesso aos fragmentos que foram riscados por Kafka no manuscrito, os capítulos inacabados e um posfácio de Carone sobre a importância desta obra para a literatura universal.

Aqui você pode comprar esta edição do livro ou presentear alguém com essa obra fantástica de Franz Kafka.

Participe do sorteio e ganhe os contos de Kafka

Assim que terminar de ler o livro e descobrir o fim de Josef K. deixe sua opinião nos comentários. Dia 22/12 todas os leitores que comentaram a publicação participarão do sorteio de um box com todos os contos de Franz Kafka!

livros de kafka

Boa leitura e boa sorte!